Tarefa 6 – Curso EDH – Débora Fava

Data

6 de julho de 2020

Cursista

Débora Fava

Função

Diretora

DRE / Unidade Educacional

Guaianases

Escola

CEI Mario Pereira Costa

Curso Respeitar é preciso

Aluna: Débora Fava

 

Trabalho como professora há quatorze anos, fui coordenadora por um ano e atualmente sou diretora de um CEI situado na Cidade Tiradentes.

Apesar de ter iniciado este ano na escola e não ter ainda um vínculo com os docentes, por toda complexidade que estamos vivenciando com a questão do Covid-19, estamos cada dia mais próximos, visto que o momento pede uma maior reflexão sobre nossos papéis na sociedade e, com isso, temos feito algumas reflexões muito bacanas, no que diz respeito a ética humana de forma geral.

Temos trabalhado a questão do preconceito, sobretudo o racial, por consequência de dois acontecimentos, um deles com uma de nossas docentes e outro no mundo. Vou expô-los, para facilitar o entendimento:

1º – Uma de nossas professoras, negra, foi convidada para dar uma entrevista pela empresa Vivo, após sua filha postar em uma rede social uma foto familiar de seu irmão, sua cunhada e sua sobrinha. Foto essa, que viralizou de forma impressionante.

A partir disso, fomentou-se nossa discussão sobre o quão necessário se faz a representatividade nos meios de comunicação, pois geralmente quando a mídia apresenta uma família bem constituída, ela não tem representantes negros e ou de outras etnias.

Deixo aqui o link do vídeo, para que assistam e compreendam. Tem alguns minutos: https://www.youtube.com/watch?v=eC1z8KesuBc

2º – O episódio da morte do homem negro nos EUA e suas consequências.

Após esses dois episódios e, justamente por estarmos diante de uma pandemia, onde os marcadores sociais estão tão evidentes, levando em consideração que estamos situados na periferia da zona leste de São Paulo, onde muitas pessoas não tem sequer saneamento básico, sendo assim afetadas por suas condições socioeconômicas, além da questão racial, nossos horários coletivos tomaram outra vertente, tão crucial quanto nossa discussão sobre como se dará o retorno das crianças e bebês.

Como tenho uma bagagem de coordenação, juntei-me a coordenadora da U.E. e estamos discutindo junto aos docentes como podemos trabalhar tais conteúdos dentro da Educação Infantil.

Apresentei um ppt que utilizava quando fui professora no Cieja. Deixarei em anexo essa apresentação, porém discorrerei sobre ela aqui, já que ela apenas serve de suporte da minha fala.

PPT – Nos primeiros slides, abordo a teoria mítica da “Redenção de Cam” e algumas teorias científicas que buscaram desconsiderar e desvalorizar o povo negro. Depois um breve relato sobre “Casa grande e senzala”.  A partir do slide 10 a ideia é que reflitamos sobre as consequências dessa desvalorização nos dias atuais.

No slide 15 há uma notícia sobre a fome, onde o número o número dos mais afetados por ela não são da África, mas a foto é, para que reflitamos sobre o papel da mídia nessa desvalorização do continente, sobre seu poder simbólico.

No slide 16 abordo o preconceito dentro da escola, a começar pela Educação Infantil. Esse ponto foi muito importante, já que trabalhamos em um CEI. Nele pudemos elencar algumas estratégias, como a questão da escola possuir brinquedos e bonecos que representem todas as etnias, assim como os deficientes físicos.

Seguindo com os slides, chegamos na interseccionalidade, mostrando os mapas da violência e dados estatísticos que deixam evidente que possuindo mais marcadores sociais, mais violentadas pela sociedade estas pessoas estarão.

Aqui faço uma ressalva. Infelizmente, esses dados são antigos, já que eu usava esse vídeo há alguns anos. Ainda não pude atualizá-los, por conta da demanda da gestão. Mas nos trouxe outra reflexão. A de que provavelmente estes números são muito maiores.

A partir do slide 42 podemos ver uma representatividade positiva da África, em detrimento do que conhecemos.

Apresentei também,  imagens de pessoas egípcias e um outro convite. Para que reflitamos sobre a representação da cor dessas pessoas pela mídia. O debate foi muito bom.

Outra proposta, ainda incerta por conta do Covid-19, é trabalharmos com as famílias essas questões. Além disso temos assistido alguns vídeos, para fomentar nossa discussão e ampliá-la. Deixarei em anexo.

Há ainda muito para discutirmos. Os vídeos estão sendo assistidos aos poucos em nossos horários coletivos, por meio da plataforma Teams.

Essa semana, convidei o grupo à assistir as palestras que tivemos no curso, que para mim foram de grande valia. Compartilhei com eles os links, assim como o material de apoio e os cadernos.

 

 

 

PPT

Prints da tele do Teams