Tarefa 6 – Curso EDH – Cristiane Carvalho da Silva

Data

2 de agosto de 2020

Cursista

Cristiane Carvalho da Silva

Função

Professor de Educação Infantil e Fundamental I

DRE / Unidade Educacional

Freguesia do Ó / Brasilândia

Escola

CEU EMEI PAZ

Nome: Cristiane Carvalho da Silva

RF: 8399611

 

Tarefa do curso: Educação em Direitos Humanos no contexto atual

TEMA: Mediando os modos de subjetivação e marcadores de diferença na educação infantil.

JUSTIFICATIVA: Como mediadora de vivências no território da infância percebe-se o quanto é importante o tema da Diversidade Cultural. Assim, refletindo referente ao contexto da unidade escolar que leciono, de todos os temas propostos nas aulas de formação, do curso de Educação Em Direitos Humanos – EDH, a primeira aula foi a que mais ampliou meu repertório, isso no contexto de práticas no âmbito profissional, quanto o pessoal. Nesse sentido, refletindo / pensando a Educação em Direitos Humanos, sabendo que ela engloba a construção subjetiva do ser, e envolve todos os meios ao qual essa pessoa está inserida. Então, o território da Unidade Escolar, instituição de vivências de infâncias, de interações sociais, e culturais, de aprendizagens e desenvolvimento integral, de ampliação de múltiplas culturas. Corroborando com tudo que foi apresentado, o tema em questão foi escolhido para ser mediado no território da infância, onde nossas crianças em suas práticas pedagógicas, dão sentido ao território como espaço de pertencimento, com a ludicidade estão construindo, ampliando repertórios, elaborando hipóteses, por meio da interações com o meio ao qual estão inseridas.

PÚBLICO ALVO:

O trabalho será mediado com crianças da unidade de educação infantil em que atuo (faixa etária de 4 e 5 anos / CEU EMEI PAZ).

INTENÇÃO:

Mediar com essa sequência de vivências, no território da infância, o acesso e reflexão aos modos de subjetivação e marcadores de diferença com as crianças. Nesse sentido, com um olhar sensível, e intencionalidade pedagógica mediar experiências com o meio, de possibilidades, de forma a refletir a diversidade ampliando o repertório cultural, o respeito por si e pelo outro, além de possibilitar maior interação com o meio ao qual estão inseridas, e às várias amplitudes de culturas que estão presente. Nesse sentido, pensando em uma educação para além dos muros da escola, compreendendo a criança com ser integral, nas suas várias potencialidades. Então, a unidade escolar, irá mediar uma Educação Integral, e Educação Inclusiva, voltada a promover o desenvolvimento integral, e a equidade, de forma a garantir igualdades de oportunidades.

OBJETIVOS:

Mediando ações, compreendendo a criança como protagonista no processo educativo. Nesse sentido, articulando vivências, pautadas na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), e o documento Currículo da Cidade. Assim, contribuindo para um educação de qualidade, com foco em conhecimentos, habilidades, atitudes, e valores para promover o desenvolvimento integral das crianças / protagonistas, e a sua atuação na sociedade. Didática voltada para uma escuta sensível, compreendendo o ser em sua singularidade, projetando ações, por meio de projetos, registros, e com os pares em Pautas Formativas. Vivências lúdicas mediadas com leituras, vídeos, brincadeiras não estruturadas, cantinhos lúdicos, produções infantis. Compreendendo o ensino, aprendizagem, como um processo dialógico, e colaborativo. Trabalhar em parceria, com a gestão da unidade escolar, pares, e comunidade. Visando, uma educação de qualidade, pautada na Educação Para o Desenvolvimento Sustentável (E.D.S.), corroborando com os Objetivos De Desenvolvimento Sustentável (O.D.S.), abrangendo ações voltadas para áreas: Pessoas, Planeta, Paz, Prosperidade, e Parcerias.

Nesse sentido, com a mediação de vivências lúdicas no território da infância, o professor irá possibilitar, ampliar:

– Comunicação;

– Autonomia e a determinação;

–  Abertura à diversidade;

– Empatia e a colaboração;

–  Autoconhecimento e o autocuidado;

–  Resolução de conflitos;

–   Ampliar repertório cultural;

–  Responsabilidade e a participação do Eu;

–  Pensamento científico, crítico e criativo.

– Desenvolvimento Integral;

– Igualdade de Oportunidades.

RESULTADOS ESPERADOS:

Com às vivências mediadas na Unidade Escolar, ampliando possibilidades, compreendendo a criança na centralidade dos processos educativos, esperamos desenvolver a interação com vivências lúdicas nos vários espaços da escola, contemplando o tempo, espaço, e materiais. Nesse sentido, proporcionar, interações, envolvimento das crianças, construção da identidade do EU interior, como sujeitos singulares, e de direitos. Respeito com as diversidades, e com a subjetividade do outro. Assim, pensando em vivências de múltiplas culturas, um cenário constantemente renovado, e construído junto, com ações, e possibilidades, que sejam significativas, desde as mais cotidianas, até aquelas mais especializadas, compreendendo a educação integral, com práticas integradas de formação, e desenvolvimento humano global, em suas dimensões intelectual, física, afetiva, social, ética, moral, e simbólica. Assim a escola, irá propiciar experiências significativas, para além dos muros, visando uma educação de qualidade, e integral.

Esse trabalho também será refletido, projetando ações, por meio de projetos, registros, e com os pares em Pautas Formativas. Compreendendo o ensino, aprendizagem, como um processo dialógico, e colaborativo.

Participação como integrante na: Comissão De Mediação De Conflitos, da Unidade Escolar: C.E.U. E.M.E.I. PAZ. Trabalhando em parceria, com a gestão da unidade escolar, pares, e comunidade. Visando, uma educação de qualidade, pautada na Educação Para o Desenvolvimento Sustentável (E.D.S.), corroborando com os Objetivos De Desenvolvimento Sustentável (O.D.S.), abrangendo ações voltadas para áreas: Pessoas, Planeta, Paz, Prosperidade, e Parcerias. Assim, corroborando com os temas na formação em Educação Em Direitos Humanos – EDH.

DURAÇÃO:

A ação será mediada durante um semestre letivo. Sempre partindo da escuta sensível da criança. Com um currículo flexível, e seja adaptado as melhores formas de potencializar essas ações. Com o tempo, espaço, materiais, e intencionalidades. Visando um processo em que a centralidade é a criança pequena, sempre que necessário, serão revisitadas as ações, de forma a tornar o caminho da aprendizagem o mais significativo para a criança, de forma que as práticas pedagógicas, deem sentido ao aprendizado no território como espaço de pertencimento.

AVALIAÇÃO:

A assertividade das ações, serão avaliadas, por meio de registros do professor da infância. Assim, teremos: reflexões no diário de bordo, com registros de falas das crianças, ações. Mapas mentais, com ampliação do processo de acordo com a curiosidade da criança. Também diálogos colaborativos em pautas formativas com os pares, e gestão. As produções da criança também serão de suma importância, assim iremos acompanhar seus avanços, e dados de produção de cultura, que sejam significativos para criança. Sempre compreendendo cada criança em seu próprio tempo de desenvolvimento.

Assim, teremos uma documentação pedagógica do processo mediado, com a intencionalidade pedagógica que corrobore com uma escola de educação integral, e Inclusiva, voltada a promover o desenvolvimento humano integral, e a equidade, de forma a garantir a igualdade de oportunidades.

Nesse sentido, as crianças irão aplicar conhecimentos de forma lúdica, que independente de gênero, cabelo, classe social, condição social, todos vivemos em uma sociedade democrática, e todos em sua singularidade, temos nosso lugar como sujeitos, cidadão, igualmente assegurados.