Tarefa 6 – Curso EDH – Celia Almeida dos Santos

Data

3 de agosto de 2020

Cursista

Celia Almeida dos Santos

Função

Professor de educação infantil e fundamental I

DRE / Unidade Educacional

São Miguel Paulista

Escola

EMEF HENRIQUE FELIPE DA COSTA

Celia Almeida Dos Santos

RF 5563135-3

Espelho no Espelho:

Projeto: Progresso da Vila

Este projeto será elaborado e trabalhado a partir da realidade dos nossos alunos, comunidade atentando para percepção das identidades e diferenças, respeitar o outro é tarefa que deve ser aprendido e compreendido na infância, família , escola e sociedade. Em um contexto social, que contribua para o ensino e importância de estudar sobre direitos humanos.

Objetivo geral – atentar para a percepção das identidades e diferenças, subjetividades e alteridades, diversidades e singularidades existentes na comunidade Jardim Campos, bairro onde se localiza nossa escola.

Especifico – proporcionar aos alunos, funcionários, a partir das obras de Gooldi Luiz Braga, Denizart, o reconhecimento e a valorização de realidade em que estão inseridos.

Reconhecer valores – amar, igualdade, ética, cidadania, solidariedade e respeito. Fazendo com que, o aluno construa  sua identidade.

Metodologia – Será realizado uma apresentação do tema para os alunos, funcionários, comunidade, que englobe a família para que todos possam acompanhar o desenvolvimento e a proposta do projeto.

Será apresentado em três momentos, as imagens.

” Noturno”- Oswaldo Gooldi

” Regiões dos desejos” – Hugo Den Rart

” Miriti” – “Bonecos Dançando ” Luiz Braga.

• Desenvolver uma dinâmica, em grupo, trabalhando as imagens, registrando os tópicos  mais importantes.

•  Registrar, individualmente, o que o olho vê, o que o olho percebe.

• Organizar uma visualização individual (observação, elementos que compõem a obra, interpretação, análise referencial e o contexto), leitura de texto informativos, filmes, declaração universal dos direitos humanos.

• 2ª etapa – a partir dos registros identificados por cada aluno, estabelecer relações com a música “Feitiço da Vila” de Noel Rosa, buscando trabalhar a diversidade e individualidade do eu, ou seja, eu me vejo e me reconheço no olhar do outro.

Convidar os alunos a mergulharem no universo proposto pela música, resgatando uma relação com as imagens lidas.

Fazer um relato, em circulo, em que os alunos possam abordar o momento de identificação, sentimentos, movimentos, descobertas, etc. Ética e respeito , família, cultura negra, religião e identidade pessoal.

3ª etapa – diante das letras realizadas, retornar com os sociais, a identidade e as diferenças, a diversidade local.

Pretende-se com isso, uma atividade, em grupos, que resgate o bairro em que estão inseridos, podendo deixar claro, a importância de cada eu, cada corpo, cada espaço, voltados para um único olhar.

4ª etapa – elaboração de uma paródia ( utilizar os recursos escritos, que cada aluno produziu , criando uma interpretação coletiva a partir da música de Noel Rosa)

Com isso, pretende-se, a partir de um novo olhar, mostrar as belezas que existem nesse bairro e em cada individuo, uma viagem nesse universo de cores, música, dança, realidade e imaginário, representados pelas mãos de nosso alunos.

5ª etapa – •   confecção das atividades propostas

•  utilização de recursos sonoros, visuais

•  estabelecer diálogos, novos caminhos

Público Alvo – Toda Escola

Duração 2 meses

Atividade interdisciplina : – arte, história, português, geografia, filosofia.

Avaliação: será observado a partir de cada etapa desenvolvida, buscando participação, organização, limites, bem como, o produto final.

Produto Final : •   fazer uma exposição das paródias (letras) bem como, gravar as apresentações dos grupos, para guardar como registro, o mesmo, como auto- avaliação.

•   expor os cartões confeccionados, mostrando a interpretação de cada aluno.

•  os cartões tem como objetivo, divulgar o bairro resgatado, na visão desses alunos.

Para termos uma sociedade justa, precisamos instruir os cidadãos (alunos) atuantes , do futuro para que possam exigir respeito e respeitar os outros.