Tarefa 6 – Curso EDH – Catia Aparecida de Oliveira Sousa de Jesus

Data

7 de agosto de 2020

Cursista

Catia Aparecida de Oliveira Sousa de Jesus

Função

DRE / Unidade Educacional

Butantã

Escola

CEI VERTENTES

CURSO EDH (EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS) – DESAFIOS DO CONTEXTO ATUAL

NOME: CATIA APARECIDA DE OLIVEIRA SOUSA DE JESUS
RF: 7451539.2
CPF: 29005664878
e-mail: [email protected]
Unidade de lotação: CEI Jardim das Vertentes
DRE Butantã

TEMA: RAÇA E RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS: BRANQUITUDE E ALGUMAS QUESTÕES ÉTNICO-RACIAIS

JUSTIFICATIVA: Não falar sobre o racismo, não fará com o que o mesmo deixe de existir num passe de mágica, até porque é um problema histórico, social e cultural, que está presente no cotidiano escolar e não apenas fora dele, como muitos acreditam. Tendo em vista que na Educação Infantil as crianças começam a conhecer seu corpo, passam a perceber as diferenças e semelhanças com seus colegas, começam a escolher seus parceiros de brincadeiras e demonstram preferências por brinquedos, esta sequência de atividades visa contribuir para o desenvolvimento de experiências que promovam a igualdade racial e que possibilitem às crianças negras se reconhecerem, também, nesse espaço como protagonistas, enxergando-se de forma positiva, respeitando a si próprias e ao outro.

PÚBLICO ALVO: Crianças de 3 a 4 anos (MII)

FINALIDADE: Inserir práticas na Educação Infantil que valorizem e possibilitem o conhecimento da riqueza histórica, cultural e social africana e afro-brasileira, mostrando o negro como protagonista e sujeito de direitos, de modo a promover um ambiente que enxerga, respeita, ouve, oferece espaço e oportunidade a todas as crianças, independente de raça, sexo, condição social, que acolhe as diferenças e possibilita a todos o acesso a uma educação de qualidade, sem discriminação.

OBJETIVOS⁄ RESULTADOS ESPERADOS:

• Que a criança negra se reconheça no ambiente escolar de forma positiva, nos brinquedos, brincadeiras, músicas, histórias, leituras, etc;
• Que as crianças compreendam que as diferenças fazem parte da história da humanidade e que são essas diferenças que nos fazem seres “únicos” e especiais, não inferiores;
• Que as crianças se sintam acolhidas e respeitadas independente de sua religião, crença, etnia ou classe social;
• Que as crianças conheçam, reconheçam e valorizem o respeito por si e pelo o outro.

DURAÇÃO: Essa sequência será desenvolvida ao longo do ano letivo.

ATIVIDADES:

• Enviar para a casa material informativo sobre as atividades que serão desenvolvidas e a importância das mesmas, com justificativa e objetivos da experiência “Biblioteca Circulante Africana e Afro-Brasileira”;
• Incluir no cantinho da leitura, livros que valorizam a cultura africana e afro-brasileira, mostrando o negro como protagonista de sua história e fazer a leitura dos mesmos durante as semanas;
• Realizar a “Biblioteca Circulante Africana e Afro-brasileira”, na qual cada criança escolherá um destes títulos para levar para sua casa toda sexta-feira (ou último dia útil da semana), de modo que os pais façam a leitura com eles no final de semana. O livro deverá ser devolvido nas segundas-feiras (ou primeiro dia útil da semana) para que seja feita uma devolutiva em roda de conversa, dando a oportunidade das crianças que quiserem falar sobre a experiência. Haverá uma ficha de controle, para saber quais livros foram emprestados. Elas poderão escolher o mesmo livro, se assim desejarem, desde que esteja disponível;
• Disponibilizar bonecos negros nas brincadeiras e prateleiras;
• Assistir o vídeo com as crianças: “Conheça a História do Turbante” – do Canal Preto, do Youtube.
• Brincar de fazer turbante em bonecos e nas crianças que desejarem;
• Pedir aos pais que façam uma pesquisa sobre brincadeiras da cultura africana e enviem escritas para a escola;
• Fazer a leitura das brincadeiras em roda;
• Escolher toda semana uma ou duas destas brincadeiras para realizar com a turma;
• Pedir para que as crianças fiquem de frente para o espelho e observem a si mesmas. Incentivá-las a olharem seus cabelos, passarem as mãos neles, em seu rosto, olhos, boca, nariz, sentindo as formas e texturas. Observarem suas mãos, dedos e todo o seu corpo, de modo que elas possam adquirir maior consciência corporal;
• Realizar a leitura dos seguintes livros durante uma semana: “Meu Crespo é de Rainha”, “O Cabelo de Lelê”, “Cabelo Ruim?” e “O Cabelo de Cora” (de segunda a quinta-feira). Fotografar os cabelos de cada criança (frente e costas) e expor na sala para apreciação. Esta exposição será feita na sexta-feira. As crianças poderão observar e tentar identificar de quem são os cabelos.
• Fazer a leitura do livro: “Olelê: Uma Antiga Cantiga da África”(Heloisa Pires Lima) e assistir o vídeo “Olelê Molibá Makasi” – disponível no Canal de Didier Jeunesse no Youtube. Cantar a cantiga com as crianças;
• Assistir o vídeo da cantiga africana: “Makun – Berceuse Africaine avec paroles” (do artista Sylla Mama) – disponível no Canal de Didier Jeunesse no Youtube
• Assistir o vídeo da cantiga africana: “Mama Wele” – disponível no Canal de Didier Jeunesse no Youtube
• Assistir o vídeo da cantiga africana: “Yembélé” – Chanson africaine pour les petits (avec paroles) – disponível no Canal Comptines d’Afrique do Youtube
• Assistir o vídeo “África” – Palavra Cantada
• Mostrar a obra “Operários” de Tarsila do Amaral e pedir para as crianças olharem os rostos ali. Perguntar se os rostos são todos da mesma pessoa, se são iguais ou diferentes, se há homens e mulheres, etc;
• Fazer a releitura da obra “Operários” de Tarsila do Amaral, com fotos dos rostos das crianças, mostrando e enfatizando a beleza da diversidade. Pedir para que as crianças fixem a foto de seu rosto em um painel disponibilizado na parede da sala. Por fim expor o painel na escola para que todos apreciem.

RECURSOS:
Bonecos negros; livros, pendrive com músicas da cultura Africana e Afro-brasileira, Aparelho de Som, TV, entre outros.

LIVROS PARA O CANTINHO DE LEITURA E BIBLIOTECA CIRCULANTE:
“Bucala, A Pequena Princesa do Quilombo do Cabula” (Davi Nunes)
“Lindara” (Sonia Rosa)
“Minha mãe é negra sim!” (Patrícia Santana)
“Olelê: Uma Antiga Cantiga da África”(Heloisa Pires Lima)
“Histórias da Preta” (Heloísa Pires Lima)
“Os mil cabelos de Ritinha” (Paloma Monteiro e Daniel Gnattali)
“O Pequeno Príncipe Preto” (Rodrigo França)
“Meu crespo é de rainha” (Bell Holks)
“As tranças de Bintou” (Sylviane A. Diouf)
“O cabelo de Lelê” (Valéria Belém)
“Cada um com seu jeito, cada jeito é de um!” (Lucimar Rosa Dias)
“Obax” (Andre Neves)
“Maria Borralheira” (Sivio Romero)
“One Love” (Cedella Marley)
“Escola de Chuva” (James Rumford)
“Bruna e a Galinha d’Angola” (Gercilga Almeida)
“Chuva de Manga” (James Rumford)
“Nó na garganta” (Mirna Pinsky)
“Tanto, tanto!” (Trish Cooke)
“A Princesa e a Ervilha” (Rachel Isadora)
“Betina” (Lino Nilma Gomes)
“Anansi, o velho sábio” (Rosa Freire D’Aguiar)
“As Panquecas de Mama Panya” (Mary Chamberlin e Richard Chamberlin)
“Cabelo Ruim? A história de três meninas aprendendo a se aceitar” (Neusa Baptista Pinto)
“Dandara e a Princesa Perdida” – Maira Suertegaray)
“Flora” (Bartolomeu Campos de Queiros)
“Koumba e o Tambor Diambê” (Madu Costa)
“Meus Contos Africanos” (vários autores, Organizador: Nelson Mandela)
“Minha família é colorida” (Georgina Martins)
“Minhas Contas” (Luiz Antonio)
“Núbia Rumo ao Egito” (Maira Aparecida Silva Bento)
“O Brasil que veio da África” (Arlene Holanda)
“O cabelo de Cora” (Ana Zarco Camara)
“O Casamento da Princesa” (Celso Sisto)
“O que há de África em nós” (Walter Fraga)
“O Mundo começa na cabeça” (Prisca Agustoni)
“O Mundo no Black Power de Tayo” (Kiusam de Oliveira)
“Olívia tem dois papais” (Marcia Leite)
“Que cor é a minha cor?” (Martha Rodrigues)
“Princesa Violeta” (Veralinda Menezes)
“Lulu adora a biblioteca” (Anna McQuinn)
“O tabuleiro da Baiana” (Sonia Rosa)
“Os nove pentes D’África” (Cidinha da Silva)
“O Mar de Manu” (Cidinha da Silva)

AVALIAÇÃO: Observar a participação e envolvimento das crianças nas atividades, o interesse das mesmas nas leituras, cantigas, para replanejar as atividades, caso haja necessidade, tornando-as ainda mais significativas. Observar como as crianças estão relação a autoestima, respeito a si próprio e aos colegas.