Tarefa 6 – Curso EDH – Carla Priscila maitan

Data

29 de julho de 2020

Cursista

Carla Priscila maitan

Função

Professor de educacao infantil

DRE / Unidade Educacional

Ipiranga

Escola

Emei Maria Luiza Moretti Gentile

Projeto Formação EDH – Desafios do Contexto Atual

Tema: Conhecendo a identidade e acolhendo bebês e crianças na Educação Infantil.

 

Justificativa: Devido às circunstancias  impostas pelo o isolamento social por conta  da política de enfrentamento à pandemia da COVID-19, as crianças passaram longo período no seio familiar. Mesmo diante de toda a diversidade e dificuldades enfrentadas pelas famílias, os costumes e laços familiares foram estreitados. Muito provável que as famílias imigrantes utilizem a sua língua materna para se comunicar. No início do ano letivo, percebemos a dificuldade de comunicação e interação entre as crianças brasileiras com as crianças de outras nacionalidades. Devido a língua materna diferente, torna-se um fator condicionante dessa falta de interação e muitas vezes levando ao desentendimento entre elas. Isso é observado pelas professoras, pois não compreendem suas solicitações mesmo observando outras formas de linguagens. Pensando nessa dificuldade pensamos em propostas que promovam a integração de crianças e famílias de outras nacionalidades no contexto educacional da Unidade Educacional.

 

Faixa etária: Bebês e Crianças de 0 a 6 anos e suas famílias.

 

Finalidade: Refletindo sobre as dificuldades enfrentadas pelas crianças e famílias, pensamos em propostas que promovam a integração de crianças e famílias de outras nacionalidades ou de descendência afro ou indígena, no contexto educacional. Por ser o principal ponto de contato da criança estrangeira ou descendente, com o novo país, e em muitos casos enfrentando condições precárias de vida, agravadas pela situação de pandemia, a escola tem um papel privilegiado na sua inserção na cultura local e de realizar práticas de inserção permite o conhecimento mútuo e contribui para a integração, para isso o acolhimento é primordial. Desta forma a escola deve ser local de valorização da diversidade, do reconhecimento da identidade de cada um, da valorização da autoestima, do autoconhecimento e das origens de cada um.

 

Objetivos/Resultados esperados:

– Respeitar e expressar sentimentos e emoções.

– Atuar em grupo e demonstrar interesse em construir novas relações, respeitando a diversidade e solidarizando-se com os outros;

– Conhecer e respeitar regras de convívio social, manifestando respeito pelo outro;

– Ampliar o conhecimento de si e do outro, valorizar sua identidade, respeitar o outro e reconhecer as diferenças que nos constituem como seres humanos;

– Possibilitar a troca e a interação entre as crianças é muito importante para a valorização da cultura estrangeira e criar possibilidades de se sentirem acolhidas, ampliando o circulo de amigos;

– Manifestar interesse e respeito por diferentes culturas e modos de vida;

– Fortalecer o processo de conscientização da comunidade escolar, quanto a repensar comportamentos e atitudes a fim de minimizar e excluir o desrespeito à diversidade cultural e étnica dentro do ambiente escolar;

– Acolher as famílias, bebês, crianças e valorizar as diferentes culturas existentes na comunidade escolar;

 

Duração: 2º Semestre 2020 ou nos meses iniciais de retorno para as aulas presenciais.

 

Sequência de atividades

– Propor questionamentos sobre, de onde vim? Quem são meus pais? Onde nasceram? Com quem parecemos? Qual meu nome e sobrenome? Usar o reforço positivo sobre suas origens para fortalecer e valorizar a construção de sua história pessoal;

– Pesquisar junto às famílias, brinquedos e brincadeiras que fazem parte de sua cultura, convidando-os a compartilhar com a turma suas experiências;

– Levantar músicas infantis e cantigas que fazem parte do repertório das crianças que tem famílias com nacionalidades diferentes, para que toda a turma conheça essas manifestações culturais e possam também ter momentos de apreciação de ritmos e músicas pertencentes ao repertório infantil variados;

– Levantar palavras usadas no cotidiano, para incluir as crianças da sala que não falam com fluência o Português e assim se reconheçam como ocupantes deste território, compartilhando com a equipe escolar e os amigos, palavras de uso do seu dia a dia;

– Ofertar vídeos com referências musicais diversas, para reconhecimento da cultura e apreciação de toda a turma, compartilhando a cultura de cada um com o restante dos amigos;

– Oferecer brinquedos e bonecos com características variadas, procurando refletir neles a representatividade e o reconhecimento nos brinquedos de sua identidade.

 

Avaliação

A avaliação deve ser um processo contínuo, respeitando o tempo de cada um. Observando as interações que as crianças tem entre si, verificando se é possível e necessário intervir.  As intervenções devem ser pontuais. A escuta deve estar sempre presente neste processo. Fotos e registros serão formas para acompanhar essa trajetória, levando em conta suas mudanças e transformações.