Tarefa 6 – Curso EDH – Carina De Souza Cavalcante Mendes

Data

24 de julho de 2020

Cursista

Carina De Souza Cavalcante Mendes

Função

Professora de educação infantil

DRE / Unidade Educacional

Penha

Escola

Cei parque boturussu

 

 

TÍTULO DO PROJETO:

Construindo a identidade Étnico-Racial

 

1.     APRESENTAÇÃO

 

Na Educação Infantil é necessário desde cedo, dá condições as crianças possibilidades de reflexão e atitudes positivas na sua própria identidade e as suas singularidades. Portanto propor um projeto que aborde preconceito e à discriminação racial é uma forma de refletir sobre a interação social e seus valores, permitindo que as crianças convivam com as diferenças e compreenda as relações raciais. A escola por ser um espaço social está aberta a diversidade e deve abordar de uma forma lúdica  dando oportunidades para que as crianças possam lidar com as emoções reorganizando seus pensamentos através do faz de conta.

 

 

2.     JUSTIFICATIVA

 

O Brasil, por ser um país multiétnico, conta com uma grande riqueza cultural, e racial. De outra parte, alguns grupos e classes como negros e índios encontram dificuldades nas relações sociais devido ao preconceito e à discriminação. Diante disso, o educador deve estar atento com olhares critico e positivos tanto nas relações étnico- raciais quanto nas culturais, religiosas, e demais diversidades existentes.

É nesta perspectiva que realizamos constantemente no CEI um trabalho sobre identidade e questões étnico-raciais.

 

 

3.     OBJETIVOS

 

3.1 Objetivo Geral

 

Reconhecer a sua própria identidade para que valorize a sua imagem e a do outro desenvolvendo valores básicos e valorizando a diversidade racial.

3.2 Objetivos Específicos

 

·                     Reconhecer a sua identidade e ter uma imagem positiva de autoconfiança;

·                     Desenvolver diversas atividades metodológicas a partir da leitura de livros que aborde o tema;

·                     Valorizar a diversidade;.

·                     Desenvolver autoestima sobre suas características físicas;

·                     Refletir sobre questões: amor, egoísmo e até a questão das nossas raças;

·                     Valorizar ações de cooperação, respeito e solidariedade;

·                     Respeitar as características de etnia;

·                     Usar os conhecimentos construídos na escola em situações do seu cotidiano;

·                     Participar de situações de comunicação oral;

·                     Apreciar atos de leitura como fonte de conhecimento;

·                     Demonstrar cooperação de situações de produção coletiva;

·                     Desenvolver a linguagem oral para expressar desejos, necessidades, sentimentos e opiniões;

·

 

4.    4. PÚBLICO ALVO

 

Alunos do Cei Pq. Boturussu situada no Bairro Ermelino Matarazzo, na cidade de São Paulo/SP.

I.

5.    5. MATERIAIS E METODOS DO TRABALHO DESENVOLVIDO

6.     

Construir um cartaz com um rosto negro em conjunto com as crianças, depois conjuntamente com a professora Carina fazer uma roda de conversa com as crianças. Em seguida ler  o livro “ Ana e Ana” de Célia Cristina com ilustrações de Fê ( pois o nosso PEA é sobre leitura) da editora DCL.  O livro conta a historia de duas meninas gêmeas negras que, apesar de serem iguais na aparência, são totalmente diferentes em seus gostos, sentimentos, enfim sua personalidade. Após conversa sobre o livro a professora Carina mostrará vários rostos inclusive das professoras e funcionários da escola com diferenças étnicas – raciais e perguntará aos alunos se são iguais, após as crianças participaram ativamente, respondendo sim ou não, realizaremos a  colagem coletiva dos rostos nos cartazes. Onde apresentaremos para todos e todas da unidade e deixaremos exposto em um lugar visível.

 

 

 

II.

6. AVALIAÇÃO

 

A atividade visa trabalhar a diversidade  e as diferenças nas quais buscamos a preservação e valorização á igualdade de direitos de todos, considerando  a diferença como processo de formação de todos , possibilitando a pratica de construir esse olhar e respeitando as diversidades. Essa avaliação ocorrerá durante o ano todo.  

 

 

 

7  REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS

 

SILVA, Celia Cristina. Literatura infanto Juvenil, 2°Ed, São Paulo, Ed. DCL 2007.

 

 

 

 

 

Projeto: Cultura africana

Duração: bimestral (5 aulas de 50 minutos).

Publico alvo: MGII

Contexto: Esse projeto se torna muito importante para aproximar nossos alunos da riqueza cultural afro-brasileira, aprofundando o estudo das fortes raízes culturais africanas, visando elevar a autoestima da criança negra e sua percepção e atuação sobre si mesma e seu lugar nos mundos, valorizando cada vez mais sua cultura, sem preconceitos. Por isso desde a mais tenra idade deve-se trabalhar o assunto, privilegiando a questão da identidade, do respeito à diversidade e da auto aceitação. Toda a comunidade escolar deve estar inserida no projeto e não apenas os afro-descendentes, de forma em que fique claro que conhecer as variadas culturas é essencial, despertando na criança o respeito pelas outras pessoas independentemente da raça. Para tal, é fundamental divulgar o lado positivo da história negra, não apenas as questões de escravidão, miséria e sofrimento, proporcionando situações didáticas centradas em dinâmicas, vivências, ações e reflexões, no estímulo a criticidade e na resolução de problemas que possibilitem aos alunos a pensarem na questão de forma ética, por fim fazer com esses alunos conheçam um pouquinho da trajetória da vida desses artistas negros e mestiços, na arte brasileira pode partir de nomes como Mestre Valentim e Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, homens de um tempo em que a formação artística se dava de maneira coletiva e não excludente nas corporações de ofício, artistas negros. As festas tradicionais brasileiras, como Maracatus, Bumba-meu-Boi, Cavalhadas, Marujadas, Folia de Reis, Festas do Divino, Congadas, constituem importantes elementos da cultura popular, carregados de valores e sentidos próprios, tendo um grande significado pelo conteúdo que representam e expressam, orquestras que antigamente eram compostas por escravos músicos.

Problema: Infelizmente anda existe muito preconceito sobre a cor negra, a cultura, e as obras de artes da presença negra, mas espero que esse artigo contribuíra para a construção do senso de uma sociedade mais justa e igualitária, em que pessoas de etnias diferentes não sejam discriminadas. Assim, no futuro, não será necessário fazer campanhas e criar datas para conscientizar a população de que não há raça superior à outra, existe apenas a raça humana.

Desenvolvimento: o projeto será desenvolvido no decorrer das 5 aulas, programadas.

Roda de conversa

Canções que abordam o tema;

Exploração de diversas imagens dos artistas negros que marcaram história.

Movimentos básicos da dança afro (orixás, cotidiano, etc.);

Levantamento de todo material disponível sobre o assunto existente nas mídias digitais. Todo material coletado e selecionado será analisado, apreciado e contextualizado junto com os alunos.

Criação, elaboração e montagem de coreografias;

Apresentar danças africanas, jogos como capoeira, e músicas, como samba e maracatu.

Documentação apresentação:

A presente pesquisa tem as relações de troca com estudo das culturas negras, buscando mais conhecimento, para que os alunos entendam as formalizações visuais cuja estética representam a temática em discussão; o cuidado com o tema abordado deverá buscar manter atualizada a relação cultural e histórica e artes. O arranjo da organização da pesquisa deverá promover uma relação de troca que atualize e crie novas possibilidades em nossa cultura.

Paty Fonte (Patricia Lopes da Fonte). Educadora especialista em pedagogia de projetos, escritora, autora dos livros “Projetos Pedagógicos Dinâmicos: a paixão de educar e o desafio de inovar” e “Pedagogia de Projetos – Ano letivo sem mesmice”, ambos publicados pela editora WAK; autora e tutora de cursos presenciais e on-line de educação continuada a docentes, coach, palestrante. Idealizadora e diretora dos sites: www.projetospedagogicosdinamicos.com e www.cursosppd.com.br

Contatos: www.patyfonte.com.br | www.facebook.com/pedagogiadeprojetos.

Avaliação: Os alunos serão avaliados de acordo com a participação individual e coletiva, através da interação e participação.

 

 

 

 

DIVERSIDADE ÉTNICA RACIAL

 

Justificativa

Partindo do conceito da diversidade étnica racial foi desenvolvido um trabalhado com foco na identidade das crianças numa abordagem ampla trazendo para o debate a percepção étnica racial sob um olhar de respeito e valorização das pessoas em suas características, gostos e costumes.

O percurso desse trabalho abrange oferecer a oportunidade para que as crianças se percebam como seres únicos, reconhecendo sua imagem, seu nome, seus traços característicos, valorizando a si.

Do mesmo modo, reconhecessem seus pares: os colegas de classe por nome, imagem, respeitando e convivendo harmoniosamente com as particularidades de cada um.

Segundo Vygostsky é na interação com o outro através da zona de desenvolvimento proximal que as aprendizagens acontecem e se perpetuam. Daí a importância de ofertar além do conhecimento de si, também a interação com o outro para que, na troca de entre as crianças, construam o entendimento sobre o respeito à diversidade étnica.

Isso se dá nos momentos de apreciação das produções individuais e coletivas, reconhecendo o seu, o do outro, o do grupo, da turma, cuidando e respeitando essa experiência, bem como nos fazeres coletivos.

A participação da família vem enriquecer esses fazeres desempenhando o importante papel de fornecer matéria concreta além de agregar valor afetivo e importância na valorização da atividade.

 

Objetivo

O trabalho objetiva fazer com que as crianças se percebam como seres individuais, se apropriaram de seus nomes e dos colegas, realizem parcerias para as produções e brincadeiras.

Se reconheça a partir de cores, traços, preferências de maneira enriquecedora e formadora de opinião.

Também procura inserir a família de modo que esta deixe sua marca no espaço da criança favorecendo e enriquecendo o seu desenvolvimento de habilidades, relações e aprendizagens.

Público Alvo

            Crianças de Mini Grupo I com idade entre 2 e 3 anos.

 

Desenvolvimento

O trabalho foi pensado envolvendo fotos, desenho, observação e conversas para entender as crianças, e, para que estas, se percebessem dentro da proposta de trabalho.

Abrangeu as seguintes etapas:

  • Conhecimento de si através de fotos identificando suas agendas, locais onde acomodar seus pertences, painel de chamada viva onde estas fotos eram manuseadas pela criança, identificando sua imagem e acomodando segundo a proposta. *
  • A experiência com a apresentação da Tela Auto-Retrato de Tarsila do Amaral (segundo a nova ortografia é autorretrato), possibilitou que os alunos se percebesse no tocante as suas características física e de etnia, assim como, observasse seus rosto e a composição dela.*
  • Música com o chamamento por seu nome, bem como, roda de conversa onde a criança se expressa tendo o grupo a lhe ouvir e a valorizar sua participação.
  • Conhecimento do outro se percebendo parte de um grupo com diversidade étnica,  opiniões diversificadas numa convivência pautada no respeito, no lúdico e nas interações do dia a dia.
    Isto se deu realizando reconhecimento da imagem do outro, através da entrega de crachás da chamada viva, onde uma criança observava a foto e entregava ao colega correspondente.
  • Brincadeiras cantadas como “O foguete vai subindo vai” e “Peixe Vivo” que permite cantar os nomes incentivando às crianças a gestos de companheirismo e trabalhando o conhecimento do outro.
  • Desenho compartilhado coletivamente ou em duplas para favorecer a troca, o companheirismo e o respeito ao espaço e ao fazer do outro.

 

Suportes

            Para a realização desse trabalho foi pensado diversos suportes gráficos, tais como, itens de papelaria como cartolina, color set, craft, EVA., TNT, plástico, caneta esferográfica, giz de cera, lã, barbante, tecidos. Todos a serviço da imaginação e criatividade das crianças com a intervenção do professor.

Obras de Arte como, por exemplo, as Telas: Operários, Auto-Retrato, A Cuca de Tarsila do Amaral são suportes de importância ímpar e valor cultural inestimável nesse projeto.

Apreciadas, valorizadas e explorada através de leitura e releitura do seu conteúdo junto às crianças.

 

Avaliação

            A observação em todo o processo de construção, desenvolvimento e finalização com um olhar atento às devolutivas, expectativas e curiosidades das crianças é ponto chave na avaliação desse projeto.

Também a participação e envolvimento das crianças em todas as etapas.

Essa observação atenta indicará o rumo dos próximos passos com as crianças neste e em outros tantos temas a serem colocados em debate.