Responder a: Comentários – EQUIPE FORMADORA

Homepage Fóruns Assuntos Gerais Aula 4 – Diversidade e Discriminação Comentários – EQUIPE FORMADORA Responder a: Comentários – EQUIPE FORMADORA

#14229

Olá a todas, todes, todos!
O curso está maravilhoso, desafiador, inquietante. Nos tirando do lugar comum.
A belíssima explanação da professora Deisy Ventura, que começamos a ver, e não conseguimos parar mais, e ao final queremos mais. O mesmo acontece com o Prof. Sergio Haddad.
As reflexões de gênero, raça, dos imigrantes são urgentes, precisam ser temas centrais. Repensar a fala do “mimimi” que diminui o sofrimento e acaba por culpabilizar a vítima precisam ser temas centrais em nossas escolas.
Gostaria de trazer um ponto, que para alguns pode parecer resolvido, e me incomodou não o ver nas discussões: o sofrimento do migrante interno.
Nas escolas periféricas, é muito comum recebermos estudantes vindos, no caso da ZL do nordeste. Esses estudantes todos “Bahia” ou Paraíba”, são silenciados, ridicularizados, menosprezados pelos seus fenótipos ou sotaques. Eu já vi estudante que não falava em público, porque ao abrir a boca a turma o menosprezada pelo sotaque. E de tão diminuído, no particular, pouco ou nada queria compartilhar.
Adolescentes tidos como “atrasados” porque vieram do Nordeste, e que tinham uma vivência belíssima de escola democrática, e que nós deveríamos aprender.
A centralidade do saber do sul, Sudeste. O sotaque certo ou bonito, precisa ser ainda questionado na escola, na mídia.
Especialmente nesse momento em que o Presidente ataca a região Norte e Nordeste, algumas delas com governadores que se posicionaram a favor da vida e não da “economia” neoliberal, nesse falso dilema.
Urge trazer conteúdos, pensadores e “faladores” das regiões esquecidas ou menosprezadas do país. Para que vejamos que lá há produção, há vida pulsante, potencia de diversidade. Não estamos isolados. A região sudeste recebe estudantes, professores, trabalhadores de todos os lugares. Mas nem todos têm lugar. Alguns são invisibilizados. E num momento em que discutimos a necessidade de acolhimento do migrante externo, ainda urge falarmos do acolhimento ao migrante interno.