Responder a: Como mediar o caso de invasão na escola?

Homepage Fóruns Assuntos Gerais Aula 5 – Mediação de Conflitos Como mediar o caso de invasão na escola? Responder a: Como mediar o caso de invasão na escola?

#13585
Ana Lucia Catão
Moderador

Márcia, vc traz uma questão difícil de ser respondida sem conhecer seu território, sua escola, nem a situação concreta.

Quando vc fala invasão, eu não sei se é a comunidade entrando na quadra de esporte fora do horário estipulado pela escola, não sei se são pessoas do entorno invadindo a a escola durante o dia, em pleno horário de aula, para ir atrás de alguém que está na escola, não sei se é alguém fazendo da escola um dormitório à noite, ou um QG… Enfim, todas essas são situações muito diversas.

De qualquer forma, me parece que um bom caminho seja abrir a escuta. A escuta da comunidade escolar. Procurar entender coletivamente que movimento é esse.

Por exemplo, se for uma questão de uso da quadra fora do horário combinado e talvez por pessoas que não são estudantes, vale a pena fazer um movimento com a comunidade escolar de mapeamento do entorno, entender que espaços de lazer há no território e talvez se dar conta que a escola é um dos poucos equipamentos com a possibilidade de compor área de lazer para a comunidade. E talvez com isso, repactuar usos da quadra com a comunidade do entorno. De certa forma, esse tipo de invasão fala de um reconhecimento da escola, de um desejo que a escola seja um equipamento público não apenas para os alunos, mas para a comunidade escolar.

Noutras hipóteses, talvez a invasão esteja falando de um não reconhecimento da escola como um espaço que tem regras próprias, um espaço de segurança para as crianças, um espaço com a função de concretizar o direito à educação. E se a escola não está sendo visto como esse espaço protegido com finalidade educativa, talvez a escola não esteja sabendo deixar clara essa sua função para o entorno.

Quanto a chamar quem manda na comunidade ou a guarda civil, eu perguntaria, para quê?
Se for chamar quem manda para dar um jeito em quem invade (mesmo que não seja dito isso, quem manda pode entender isso), me parece um caminho perigoso, pois sabemos os métodos dos poderes paralelos. Se for para chamar a guarda civil para garantir a segurança e criar com isso um cisão entre o dentro e o fora da escola, me parece um caminho pouco criativo.

Parece-me que o caminho é encontrar formas de diálogo com a comunidade, com quem manda e quem não manda, com TODOS.
Esse diálogo pode ser através das estratégias pedagógicas da escola, fazendo os alunos mapearem problemas do entorno e intervirem nele, a escola fazer festas abertas, fazer feiras com as produções da comunidade, chamar a comunidade para apreciar as produções dos alunos, abrir a sala de leitura para a comunidade, fazer da escola um equipamento territorializado, implicar todos no cuidado com a escola.
Esse diálogo pode ser através de grandes encontros de escuta e deliberações coletivas sobre os funcionamentos da escola, suas regras, etc. Esse diálogo pode ser através do embelezamento da escola, do cuidado com o espaço e o modo de acolhimento das famílias.
Esse diálogo pode ser chamando as famílias não apenas quando algo ruim acontece, mas também para compartilhar algo bom.
Esse diálogo pode ser por meio simbólico, tirando grades, diminuindo chaves, corredores intermediários.

Enfim, tem muita coisa para pensar aqui. Espero ter ajudado!