Escolas da Rede Municipal recebem o 6° prêmio de EDH
José Sérgio no auditório da UNISA, em 01/07/2017 (Foto: Alessandro Carbone)
Democracia e autoridade na escola
31 de outubro de 2018
Professor Paulo Magalhães durante aula no centro de São Paulo (Foto: Robson Ventura/Folhapress)
Professor transforma ruas do centro de São Paulo em sala de aula
9 de novembro de 2018

Escolas da Rede Municipal recebem o 6° prêmio de EDH

O estudante Renan Augusto José de Barros recebe prêmio na categoria Grêmio.

O estudante Renan Augusto José de Barros recebe prêmio na categoria Grêmio.

Alunos, professores e gestores participaram da cerimônia de entrega no centro de São Paulo

Nesta última quarta-feira, 31/10, a Rede Municipal de Educação de São Paulo conheceu os vencedores do 6° Prêmio Municipal de Educação em Direitos Humanos. Formado em sua maioria por estudantes das 16 escolas finalistas (cada qual com sua própria torcida, cartazes e coro!) o público lotou os 600 lugares do tradicional Teatro Procópio Ferreira para a cerimônia de entrega dos prêmios de Menção Honrosa, 3°, 2° e 1° lugar em quatro categorias: Grêmio, Professores, Estudantes e Unidade Educacional.

Cartazes dos alunos da EMEF Profª Wanny Salgado Rocha (Foto: Daniel Carvalho)

Cartazes dos alunos da EMEF Profª Wanny Salgado Rocha (Foto: Daniel Carvalho)

Dentre os 92 inscritos, a comissão julgadora selecionou os projetos que melhor descreveram ações pedagógicas de sucesso na promoção dos direitos humanos e que envolvessem a comunidade escolar em temas como sustentabilidade, igualdade racial, gestão democrática e mediação de conflitos. Os selecionados ganham uma quantia em dinheiro e são publicados posteriormente em formato digital.

O prêmio é fruto da parceria entre a Secretaria Municipal de Educação e a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, é anual e existe desde 2013, mesmo ano da criação da SMDHC e da constituição de um conjunto de políticas públicas e parcerias voltadas para a Educação em Direitos Humanos na capital, dentre elas o projeto Respeitar é Preciso!, iniciativa do Instituto Vladimir Herzog.

Performance do grupo Extremo-X Z/SUL (Foto: Daniel Carvalho)

Performance do grupo Extremo-X Z/SUL (Foto: Daniel Carvalho)

A apresentação cultural que iniciou o evento ficou a cargo do grupo de dança Extremo-X Z/SUL, com uma performance que empolgou ainda mais o já animadíssimo público.

Durante a cerimônia, os certificados foram entregues pela Secretária Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Berenice Giannella; pelo Secretário Municipal de Educação, Alexandre Schneider, e pelo prefeito de São Paulo Bruno Covas. Eles também presentearam os finalistas com exemplares de dois livros publicados pela Vlado Editora: A Constituição de 1988, 25 anos – A construção da Democracia e Liberdade de expressão e A Declaração Universal dos Direitos Humanos – 30 Artigos Ilustrados por Artistas.

Em sua fala de abertura, Berenice Gianella lembrou do aniversário de 70 anos da Declaração Universal e ressaltou que “o propósito do prêmio é incentivar os estudantes a conversar sobre direitos humanos, buscar a paz e a solução de problemas pela conversa e não pela guerra”.

Em seguida Alexandre Schneider saudou não só as escolas finalistas, mas todas que realizaram e realizam projetos voltados aos direitos humanos, destacando que “promover os direitos humanos é entender que há um caminho ainda longo para garantir estes direitos. Não só alunos, professores, secretários e prefeitos, mas todos nós como sociedade devemos desejar que cada um tenha seus direitos garantidos”. Schneider concluiu com um “ Viva a Rede Municipal de Ensino! ”.

Cartaz dos alunos da EMEF Profª Daisy Amadio Fujiwara (Foto: Daniel Carvalho)

Cartaz dos alunos da EMEF Profª Daisy Amadio Fujiwara (Foto: Daniel Carvalho)

No encerramento, o prefeito Bruno Covas parabenizou a todos e dirigiu sua fala aos estudantes: “Nossa geração falhou na importância de disseminar os direitos humanos. Tenho esperança em vocês, para que casos como o de Ivo Herzog, aqui presente, a gente só olhe nos livros de história. Nos jornais e na internet ainda vemos violações aos direitos humanos acontecendo cotidianamente, e como se não bastasse ainda há discursos negando que elas existem. Que a gente possa no futuro fazer com que os direitos humanos não sejam mais um tema a ser premiado, mas parte da nossa cultura. Quero dividir essa responsabilidade com vocês.”

– Haja responsabilidade!

 

*Confira a lista completa de projetos premiados e a galeria de fotos no portal da SME.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *