Apresentação – Respeito e Humilhação
 
APRESENTAÇÃO – Respeito e Humilhação

Caros educadores,

Este caderno, intitulado Respeito e Humilhação, faz parte do conjunto de publicações do Projeto Respeitar é Preciso!, que busca compartilhar orientações, subsídios e sugestões para implementar a cultura de Educação em Direitos Humanos nas escolas da Rede Municipal de Ensino da cidade de São Paulo.

respeitarepreciso-humilhacaoedireitoshumanos

Além de ações de formação, esse projeto conta com cinco publicações (Respeito na Escola: Orientações Gerais, Sujeitos de Direito, Diversidade e Discriminação, Respeito e Humilhação e Democracia na Escola), que, em seu conjunto, abarcam as principais questões relativas às práticas educacionais de respeito aos Direitos Humanos, identificadas na pesquisa qualitativa, na interlocução com os participantes do curso Respeitar é Preciso!, realizado em 2014, e na prática desenvolvida nas escolas em 2015. O caderno Respeito na Escola: Orientações Gerais aponta caminhos principalmente para os adultos da escola, todos considerados educadores, e para a entrada gradativa dos alunos, dos pais e da comunidade do entorno. Os demais cadernos tratam de questões importantes que perpassam todo o Projeto. Um tema e outro se entrelaçam, mas a organização em cadernos faz com que seja possível “colocar uma lente” em aspectos diferentes para uma reflexão mais focada.

A ideia de humilhação está intimamente relacionada a todo tipo de exclusão e discriminação e se opõe à ideia de respeito, o que justifica uma reflexão constante sobre o tema nos meios escolares. Colocar o outro em situação de inferioridade por meio de uma prática humilhante, intencionalmente ou não, fere a dignidade dos sujeitos e pode configurar uma situação de abuso de poder.

Neste caderno, o tema é tratado do ponto de vista das relações interpessoais e das práticas no cotidiano escolar, como elas acontecem e quais as consequências negativas, não apenas para cada indivíduo humilhado, mas para a escola. A escola perde com o isolamento e o possível ressentimento das vítimas, que podem desistir da participação no coletivo, e também perde quando o ambiente fica pesado ou insensível diante da recorrência de casos penosos. Contudo, há maneiras eficazes e respeitosas para o enfrentamento desses problemas.

Boa leitura e bom trabalho.

Vlado Educação – Instituto Vladimir Herzog,
Secretaria Municipal de Educação e
Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo

1. HUMILHAÇÃO E DIREITOS HUMANOS